quarta-feira, 24 de agosto de 2016

ENDIVIA - ENDIVIAS - CHICÓRIA - Todas as variedades - Chicorium sp



Pre-tratamento de Germinação

Coloque as sementes na geladeira por 2 a 4 semanas antes de semear. 

A temperatura ideal de germinação (25 a 30 graus) é bem mais alta que a temperatura ideal del cultivo!

Clima

A temperatura ideal para cultivar endivias se situa entre 12°C e 22°C, embora existam cultivares que toleram temperaturas mais baixas e outros que toleram temperaturas um pouco mais altas. Temperaturas acima de 25°C geralmente induzem a planta a produzir folhas menos desenvolvidas e a florescer precocemente.

Luminosidade

As endivias e chicórias podem crescer sob sol direto ou na sombra parcial, desde que haja uma boa luminosidade. As folhas de plantas cultivadas sob sol direto e altas temperaturas normalmente ficam mais amargas.

Solo

As plantas precisam de solo bem drenado, fértil e rico em matéria orgânica. O pH ideal do solo vai de 5,5 a 7. Não é necessário que o solo seja rico em nitrogênio.

Irrigação

A chicória deve ser irrigada com frequência para que o solo não resseque.

Plantio

As sementes podem ser plantadas em sementeiras ou módulos, e o transplante pode ser feito quando as mudas têm de 4 a 6 folhas, de preferência em dias nublados ou no fim da tarde, principalmente se a temperatura ambiente está alta, pois a muda pode murchar e morrer se o transplante ocorrer quando o tempo está quente e seco.
As sementes também podem ser plantadas diretamente no local definitivo da horta em regiões de clima ameno. Posteriormente algumas mudas podem ser transplantadas ou colhidas para que se fique com o espaçamento adequado.
O espaçamento recomendado depende do cultivar e das condições de cultivo, indo de 20 a 30 cm entre as linhas de plantio e 15 a 30 cm entre as plantas para almeirões e radicchios, e de 30 a 50 cm entre as linhas de plantio, com 25 a 40 cm entre as plantas, para endívias ou escarolas.
As chicórias também podem ser cultivadas em vasos e jardineiras de tamanho médio ou grande.
Branqueamento das folhas de chicória usando vasos para cobrir as plantas
Branqueamento das folhas de endivia usando vasos para cobrir as plantas

Tratos culturais

Retire as plantas invasoras que estiverem competindo por recursos e nutrientes.
Uma prática que pode ser realizada em endivias é o branqueamento ou estiolamento. Tem o objetivo de deixar as endivias menos amargas, mais claras e mais tenras, e consiste de deixar as plantas privadas de luz antes da colheita, durante aproximadamente 15 dias. Para tal existem diversos métodos, como amontoar e amarrar as folhas externas de forma a privar as folhas mais jovens de luz, colocar um objeto (por exemplo um prato ou vaso) sobre o centro de cada planta, ou cultivar em vaso e cortar todas as folhas da planta, deixando que a planta rebrote em um local escuro até o momento da colheita.

Colheita

A colheita pode ocorrer de 50 a 100 dias depois da semeadura, dependendo do cultivar plantado e das condições de cultivo. Os cultivares que têm folhas soltas podem ter estas colhidas individualmente quando necessário. As plantas que são totalmente cortadas na colheita, podem rebrotar e proporcionar novas colheitas.

 FONTE: HORTA.INFO

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Como plantar chalotas no jardim

Muitas pessoas preferem plantar chalotas em vez de cebolas devido ao sabor delicado que estas acrescentam aos mais variados preparados culinários. Saiba como plantar chalotas no jardim e confira aos seus pratos um toque exclusivo dos sabores da “Nouvelle Cuisine”.

A origem das chalotas

As chalotas têm o nome científico de Allium ascalonicum e, à semelhança dos alhos e das cebolas, pertencem à família das Liláceas. Trata-se de uma planta bulbosa que é originária da Ásia central e o seu nome vem de Ascalão, uma cidade palestina. Durante o século XI, com a Primeira Cruzada, a chalota foi levada para o Continente Europeu, nomeadamente para França e aí revolucionou por completo a cozinha francesa na confeção das refeições mais luxuosas e requintadas.

A constituição de uma chalota

Apesar de ser da mesma família que as cebolas e os alhos, a chalota oferece um paladar mais doce e agradável que os demais. É um vegetal que tem bulbos ovais que são comestíveis e muito saborosos. A sua fisionomia apresenta um caule verde com folhas longas, finas e cilíndricas (geralmente uma por bulbo) e flores roxas. Os bolbos da chalota são brancos no interior e roxos no exterior e encontram-se todos amarrados entre si, à semelhança dos dentes de uma cabeça de alho. As folhas verdes que estão ligadas à chalota e que se apresentam acima do solo são conhecidas como cebolinhas e estas, por sua vez, são muito utilizadas em saladas, principalmente no Verão, pois combinam muito bem com o pepino e com o tomate.

A melhor altura para plantar chalotas

As chalotas são uma planta de cultivo perene que pode atingir dois metros de altura. Trata-se de um vegetal muito produtivo e de fácil cultivo e é por isso que deve fazer parte da sua horta ou jardim de vegetais. Este é um vegetal que se adapta a qualquer tipo de clima, no entanto, a melhor altura para plantar chalotas ocorre em Janeiro nas regiões mais secas ou no início da Primavera, depois da queda das geadas de Inverno, nas regiões mais húmidas. Por outro lado, deve ter em consideração que as chalotas, à semelhança dos limões, precisam de muitas horas de exposição solar para que possam crescer de uma forma saudável e natural.

A preparação do solo para o cultivo das chalotas

As chalotas, assim como as cebolas, não se dão bem em solos secos e pesados e é por isso que o seu cultivo exige um solo com um pH de 6 a 6,8 e bem drenado. O solo deve ser neutro, rico em matéria orgânica e não deve ter sido recentemente adubado, uma vez que isso excede os seus níveis de nitrogénio. À semelhança do alho poro, o cultivo de chalotas necessita de um solo com muito fósforo e potássio. Nesse sentido, deve utilizar fertilizantes orgânicos ou uma cobertura de raízes de plantas com terra, estrume ou palha, para que a terra fique o mais fértil possível e tenha todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento das chalotas.

Como plantar chalotas

Para plantar chalotas corretamente na sua horta ou jardim de vegetais, deve seguir os passos seguintes:

Abrir fileiras de cultivo: deve abrir trincheiras rasas no seu jardim e nelas deve colocar as sementes ou bulbos de chalotas que vai utilizar na sua plantação. Fica ao seu critério o número de fossos a utilizar, uma vez que isso depende das suas necessidades e do espaço que tenha livre.
Colocar as sementes ou bolbos na terra: as sementes ou bolbos devem ser colocados um centímetro dentro do solo e devem ficar espaçados entre eles à distância de 10 a 15 centímetros.

PLANTAR CADA DENTE EM FORMA INDEPENDENTE;

Regar com regularidade: as chalotas têm raízes finas e delicadas e necessitam de uma rega regular para que o solo não fique seco. Certifique-se que no espaço entre plantas não crescem ervas daninhas, pois estas prejudicam o crescimento das chalotas e estragam a sua cultura.

RESISTE O FRIO E O CALOR, MAS NÃO GOSTA DE UMIDADE EXCESIVA;

A colheita de chalotas

A colheita de chalotas, assim como o alho, é normalmente feita nos meses de Junho e Julho, mas isso depende do tipo de clima que se faça sentir na sua região. Uma das melhores formas de verificar se as chalotas estão ou não prontas a serem colhidas passa pela observação da cor das suas folhas. Assim que as folhas das chalotas ganharem uma cor amarelada, isso significa que estão prontas a serem retiradas da terra.
Na colheita, deve ter a máxima atenção para não amarrar e puxar as folhas das chalotas com o objetivo de as arrancar da terra. Em vez disso, utilize uma pequena pá ou um garfo que lhe permita retirar a chalota do interior da terra sem danificar as suas folhas.
Posteriormente, deve colocar as chalotas a secar durante um período máximo de um mês, antes de as armazenar em sacos de rede pendurados num local seco e fresco.

FONTE : OMEUJARDIM.COM

sexta-feira, 22 de julho de 2016

EUCALIPTO ARGENTINO - EUCALIPTO PRATEADO - Eucalyptus cinerea

Condições Favoráveis
Clima: Subtropical. Tropical de altura. Moderado. Temperatura média anual de 14 a 20 °C.
Chuva anual: 700 a 2400 mm. É exigente em luz e susceptível a geadas. Resistente ao vento.
Solos: Prefere solos profundos, bem drenados, com boa umidade e pH entre 5.0 e 7.0.
Topografía: Plana a ligeramente ondulada,
Limitantes: Em solos pouco profundos, a raiz pode produzir a caída da árvore, a causa de ventos fortes.
Germinação
Tratamento prévio 1: Coloque as sementes na geladeira durante 4 semanas.
Tratamento prévio: Para lograr una germinação uniforme coloque as sementes em água a temperatura ambiente e deixe as sementes dentro da água durante 24 hs. SE RECOMENDA O USO DE ACIDO GIBERELLICO (GA3) A VENDA NA PLANTAMUNDO.
A limpeza e a desinfecção da  bandeja, antes de semear as sementes, é essencial para eliminar as bactérias que podem afetar o crescimento das plantas. Embeber a bandeja por 10 minutos, em uma solução de 9 partes de água para 1 parte alvejante doméstico. Depois, use líquido de lavar louça para limpar o tabuleiro e enxágue bem com água.

Se recomenda o uso do de substrato para sementes, não terra. O substrato deve ser leve e poroso. Se recomenda esterilizar o mesmo no forno,

As sementes de Eucalyptus cinerea são muito pequenas, e por tanto devem ser colocadas na superfície do substrato e apertadas, nunca enterradas, precisam de luz para germinar!  O substrato deve manter-se úmido durante toda a germinação. Isto é feito melhor com uma  garrafa de spray (borrifador) porque este não vai lavar ou aprofundar as sementes. As sementes de Eucalyptus  requerem uma umidade de cerca de 100 por cento. Cobra a bandeja com um filme plástico transparente pode ajudar a elevar o nível de humidade. Para promover aeração, fazer furos no plástico.

Para germinar as sementes, coloque-as num lugar na sombra mas com muita luz. A temperatura ideal de germinação é de 30 graus. A germinação é naturalmente errática e pode demorar de 7 a 90 dias. Durante a germinação, mover a bandeja a uma área parcialmente sombreada. Uma vez as sementes germinadas, coloque a bandeja nua janela ensolarada.

Uma vez que o segundo conjunto de folhas se desenvolva, (o primeiro conjunto de folhas verdadeiras), é hora de transplantar as mudas para recipientes individuais. Continue a umidificação do solo conforme necessário. Utilize o FERTILIZANTE MILAGRE semanalmente. Depois de cerca de três meses, quando as plantas estarão com cerca de 10 cm de altura as mudas podem já ser movidas a uma área totalmente ensolarada, desde que não seja verão em áreas de calor extremo.

terça-feira, 19 de julho de 2016

MARACUJÁ DO MATO - Passiflora cincinnata e outros - Passiflora sp

 

CULTIVO



Época: semear o ano todo em regiões quentes. Onde a temperatura do inverno é inferior a 15ºC, não semear nos meses mais frios, ou semear em interiores.
Recipientes: sacos de polietileno pretos, com furos, tamanho 14 x 28 cm, ou tubetes de polietileno (o maior de todos) ou copinhos plásticos de 400 ml.
Substrato: Se recomenda o uso de substrato para mudas, não de terra.

Semeadura: Colocar as sementes de molho em suco de maracujá azedo (sem diluir) por 24 hs antes de semear. 

PLANTAR bem raso, cobrindo-as com 3 mm de substrato. A germinação pode ocorrer entre 14 e 28 dias após a semeadura, mas pode demorar até 6 meses ou mais, não jogue fora os copinhos!
DICAS IMPORTANTES:  Para melhorar a germinação, lixe as sementes em um ou dois lados usando uma lixa fina, e depois deixe em molho em GA3 (ácido giberelico) misturado com o suco concentrado de maracujá azedo, por 24 horas.
A temperatura é provavelmente o fator mais importante na germinação, com baixas temperaturas não haverá germinação! 

Tempo de preparo: mudas de sacos plásticos e copinhos levam de 60 a 80 dias para emitir a primeira gavinha, quando então devem ser levadas para o campo. Mudas de tubetes formam-se em 40-45 dias, sendo transplantadas mais cedo e menores, o que exige maiores cuidados quanto à irrigação

Clima e solo: próprio para regiões tropicais e subtropicais, com temperatura média mensal de 20 a 32ºC, precipitação anual de 800 a 1.700 mm anuais, bem distribuída, e alta luminosidade. Não tolera geadas ou ventos muito frios. Evitar face sul do terreno. Plantar em solos de textura média, profundos e bem drenados. Não utilizar baixadas, solos pedregosos ou com possibilidade de encharcamento.
Práticas de conservação do solo: plantar em nível e manter cobertura vegetal sempre roçada nas entrelinhas.

Sistema de condução: espaldeira com 1 fio de arame liso número 8 ou 10, fixo com mourões de 2 m de altura (mais 0,5 m enterrado), espaçados de 5 a 6 m.

Pragas e doenças: pulverizar, quando necessário, de manhã bem cedo para não afetar os insetos polinizadores. Prevenir com medidas culturais que favoreçam boa drenagem e manutenção de integridade do sistema radicular; controle – erradicação.

Podas: Poda de formação - conduzir a muda com haste única. Desbrotar periodicamente, até que ultrapasse o arame de sustentação em 20 cm. Despontar.
Escolher duas brotações laterais para formar os cordões horizontais, um para cada lado da planta. Manter todas as brotações surgidas desses cordões, pendendo livremente na vertical (cortina produtiva), eliminando-se as gavinhas até 60 cm abaixo do arame. Poda de produção - no início da brotação primaveril, com umidade no solo, cortar os ramos da cortina produtiva 60 cm abaixo do arame. Deixar secar, retirar e queimar os ramos podados.


FONTE IAC e Equipe da Plantamundo

segunda-feira, 18 de julho de 2016

COUVE DE BRUXELAS - Brassica oleracea grupo Gemmifera


 
A couve-de-bruxelas é uma hortaliça de clima frio ou ameno, que dificilmente cresce bem em locais onde a temperatura média ultrapassa os 24°C, sendo que a faixa de temperatura considerada ideal para o cultivo é de 15°C a 18°C. A planta suporta bem geadas e alguns cultivares podem sobreviver durante curtos períodos a temperaturas de até -10°C.
DICA: PLANTAR NO INVERNO EM ÁREAS MAIS QUENTES 
 
A couve-de-bruxelas necessita de alta luminosidade, com luz solar direta pelo menos algumas horas por dia. Plante em solo bem drenado, fértil, rico em matéria orgânica e em nitrogênio. O pH ideal do solo está entre 6,0 e 6,8. A horta deve ser irrigada de forma a manter o solo sempre úmido, sem que fique encharcado.

Plantio
As sementes podem ser plantadas em sementeiras, vasos pequenos ou copinhos de plástico ou de jornal, e transplantadas quando as mudas têm de quatro a seis folhas. Transplante de preferência no fim da tarde, com o solo bem úmido, ou em dias nublados e chuvosos. As sementes também podem ser plantadas diretamente no local definitivo, embora esta prática seja menos comum entre os horticultores.

A couve-de-bruxelas é bastante sensível à falta de boro no solo. Se as plantas estão apresentando caules ocos e não estão se desenvolvendo bem, estes podem ser sintomas de carência de boro, problema que pode ser corrigido pela adubação com adubo que contenha boro.

Colheita
A colheita da couve-de-bruxelas ocorre de 90 a 140 dias após a semeadura, variando conforme o cultivar plantado e as condições de cultivo, e prolongando-se por alguns meses se a planta não for cortada inteira na colheita, isto é, se os brotos forem colhidos um a um.
Neste último caso os brotos vão sendo colhidos da base da planta para cima, conforme vão atingindo 2,5 a 5 cm de diâmetro, sem que estejam abertos ou amarelados. Corte os brotos com uma faca rente ao caule ou torça cada broto até que este se desprenda da planta.
Muitos horticultores afirmam que as couves-de-bruxelas são mais saborosas se forem colhidas após a ocorrência de uma leve geada.

Dicas & advertências
– O tempo pode ser elemento complicado com couves-de-bruxelas. Embora sobrevivam a geadas, elas não suportaram um inverno extremamente rigoroso. Experimente diferentes datas de cultivo e seja paciente: Pode demorar um ano ou dois de culturas menos perfeitas antes de você descobrir a melhor época de plantio de acordo com o clima de sua cidade.
– As couves-de-bruxelas têm raízes superficiais, portanto, as plantas precisam de alguma ajuda para permanecer na posição vertical. Mantenha-as estáveis em suas hastes, amontoando solo ao redor da base de cada planta conforme ela cresce, firmando com o pé ou a parte de trás de uma enxada.
– Elas são boas para a saúde: além de compartilhar as propriedades anticancerígenas de outros membros da família botânica Brassicaceae, apresentam quantidades saudáveis de potássio, ferro e fibras e têm mais vitamina C do que a laranja e três vezes mais vitamina A que o repolho.


Fonte Revista Campo e Negocios

COMPRE SEMENTES DE COUVE DE BRUXELAS  CLICANDO AQUI

Salsão de Cabeça Gigante - Aipo-rábano - Salsão De Raiz - Aipo-nabo - Aipo Gigante - Apium graveolans v. rapaceum


O salsão de raiz é uma hortaliça com sabor semelhante ao do salsão (aipo) normalmente encontrado no mercado nacional, porém apresenta formação de uma “cabeça” de sabor particular na região entre a raiz e as folhas, que é uma iguaria na culinária de alguns países europeus, sendo normalmente utilizado em cozidos, refogados e em sopas. Suas folhas e talos também são comestíveis, porém o tubérculo é a parte de maior valor comercial. A variedade Gigante de Praga é um material vigoroso, com boa sanidade e produtividade, com ciclo mínimo de 5 a 6 meses de cultivo.

O melhor clima para o cultivo do aipo

Originário da Europa, o aipo é uma hortaliça bastante cultivada nos países de clima temperado. É uma planta que não necessita de muita luz e suporta temperaturas entre os 5 e os 30 graus centígrados, sendo que a temperatura ideal para o seu cultivo é de 10 a 25 graus. As geadas fortes conseguem derrubar e estragar uma plantação e, como tal, esta deve estar bem protegida. O aipo é uma planta com um ciclo cultural anual que pode ser cultivada durante as estações do Inverno e da Primavera e a sua colheita inicia-se 150 a 180 dias após a sua plantação. É de realçar que o amadurecimento dos aipos nos meses mais frios faz com que o seu sabor seja mais doce e aromático.

 A plantação do aipo

Plantar as sementes de aipo num tabuleiro: as sementes pequenas são melhor plantadas na superfície de um tabuleiro ou num pote, pois assim a sua cultura é mais fácil de pegar. Posteriormente, terá apenas que cobrir com um pouco de areia ou terra do seu jardim.
Manter as sementes úmidas: As sementes devem ficar úmidas durante um período médio de três semanas para que possam rebentar naturalmente e florescerem na sua plenitude.
Plante as sementes dos aipos: Ao plantar as sementes dos aipos deve cobri-las com raízes de plantas com terra e estrume ou palha. Este passo é essencial para manter a humidade e o crescimento constantes, principalmente nos dias mais quentes.

A preparação do solo

O aipo, necessita de uma terra rica em nutrientes e, como tal, o seu solo precisa de ter uma boa drenagem, um pH que se situe entre os de 5,8 e os 6,7 e uma umidade constante. Estes são os três requisitos principais que auxiliam no cultivo do aipo e no desenvolvimento perfeito do seu caule. De acordo com o local onde se situa o seu jardim, e com o que produz melhores resultados no cultivo do aipo, existe um método de plantação específico. É ele:

Prepare uma cova: abra uma vala com uma profundidade e largura de aproximadamente 45 centímetros. Encha-a pela metade com fertilizante, de preferência orgânico, para que a terra fique o mais fértil possível.
Enriqueça o solo: coloque um pouco de calcário ou gesso no solo, pois o cultivo do aipo necessita de cálcio, o que vai fazer com a terra fique mais rica em nutrientes.
Deixe o solo repousar: a terra necessita de descansar durante um período máximo de duas semanas e só depois deste tempo é que os aipos devem ser plantados.

O cultivo e o crescimento do aipo


Transplantar as sementes de aipo: as sementes de aipo devem ser mudadas para um local do seu jardim com um dedo de altura e devem estar separadas à distância de 30 centímetros. Esta distância permite que os aipos tenham espaço suficiente para crescer e ajuda a controlar o aparecimento das ervas daninhas.
Regar a terra constantemente: deve garantir que a rega da terra é constante e deve manter a cobertura para raízes de plantas feita com terra e estrume ou palha intacta. As sementes de aipo devem ser regadas preferencialmente na parte da manhã e diretamente no solo em vez de serem regadas nas folhas, pois assim diminui a possibilidade de aparecem fungos no solo.
Fertilizar as plantas: a cada duas a quatro semanas dê às plantas um alimento líquido de algas e até mesmo um pouco de fertilizantes de peixes ou mais composto. Esta ação permite dar às plantas uma maior acidez e suavidade e é um dos passos mais importantes a serem realizados antes da colheita.


Fonte O Meu Jardim



COMPRE SEMENTES CLICANDO AQUI

GODETIA AZALÉIA -

Nome científico: Godetia whitneyi

Cor: Sortidas

Altura: 60 cm

Temperatura ideal para germinar e cultivar : 15 a 20° C

Luz para germinar: Pouca

Semanas para florescer: 15 a 17

Como plantar

Escolha bem a área do canteiro, preferencialmente terras com alto teor de matéria orgânica. Revolva a terra entre 20 e 30 cm de profundidade misturando para cada m2 de canteiro 30 g (1 colher de sopa) de adubo NPK de uma fórmula comercial, ou 150 g (1 copo) de esterco bem curtido ou húmus, uma semana antes da semeadura ou do transplante. Irrigar uma vez por dia, sem encharcar, de preferencia no início da manha ou no final da tarde

Descrição

Anual. As flores sedosas ficam lindas em canteiros e vasos, sao excelentes para corte.

Dicas

Plantar no lugar definitivo, em solo moderadamente fértil. Se for muito fértil, a folhagem cresce muito a custo das flores. Gosta de sol pleno ou meia-sombra.

Germinaçao

De 5 a 20 dias


COMPRE SEMENTES DE GODETIA AZALÉIA CLICANDO AQUI